Postagem em destaque

Não precisamos da aprovação alheia

Psicóloga Bradesco saúde em sp



“Para se fazer grandes coisas não se deve estar acima dos homens, mas junto deles.” Montesquieu

Vamos refletir:

Precisamos realmente de aprovação alheia? 

Percebe-se que algumas pessoas se movimentam mais do que o necessário para agradar os que vivem à sua volta, sofrendo prejuízos consideráveis na individualidade. 

Em geral, buscam agradar ao outro para: 

a) Que sejam aceitos, recebendo afeto, admiração, carinho e amor;


Algumas pessoas convivem em ambientes áridos, onde não há afeto, ou estes são pouco percebidos. E para contornar ou reverter esta situação, tendem a se sacrificar, emitindo comportamentos, as vezes exagerados, para chamar a atenção alheia, e receber (talvez) uma migalha de afeto, algo que indique que sua presença ali é minimamente bem vinda. Estas pessoas, as vezes abrem mão da sua capacidade crítica, apenas para agradar ao outro, passando a pensar e agir como o outro quer, ou imitando o outro.

b) Que não sofram críticas, punições, retaliações etc.
Algumas  pessoas preservam sua capacidade crítica e sua individualidade, porém o preço é alto demais: geralmente convivem com pessoas inflexíveis, pouco aberta a negociações e para que possam viver com o mínimo de paz, passam a atender os interesses dos outros, em detrimento dos seus.

Mas... será que abrir mão das suas características particulares para agradar o outro é garantia de aceitação?

Na verdade não. Ao contrário, pode parecer "garantia de dominação", pois quanto mais você muda, mais o outro exigirá mudanças.... até que não sobre nada de você em você mesmo!!!

Reflita: Vale a pena mudar tanto para obter o mínimo de aceitação da outra parte? A recompensa é proporcional aos ganhos? Se for, ótimo. 

Caso contrário, está aberto o caminho para o adoecimento psíquico, pois tentar agradar ao outro é abrir mão da sua capacidade crítica, dos seus gostos, necessidades, vontades e desejos para abraçar as imposições alheias. Em resumo é viver como se fosse uma extensão do outro. É deixar de conhecer coisas boas, novas e diferentes para viver numa bolha esperando que o outro o reconheça de alguma forma e lhe forneça migalhas de afeto. 

Para alguns indivíduos, a simples possibilidade de não estar agradando incomoda a ponto de levá-lo a níveis elevados de ansiedade. 

Imaginar que esteja provocando a desaprovação alheia, faz com que seu orgulho sofra um abalo e não medem esforços para recuperar a aprovação. Neste caso, convém rever alguns pensamentos: será que o outro está tão preocupado com o que você faz? 




PsicólogaPsicologa Bradesco


Comentários

  1. Anna Fonseca, lí, assimilei e achei este artigo rico de coerências vitais para o nosso aprendizado diário ao nos relacionarmos com as demais pessoas. Parabéns!!! Beijos. Ivan Brafman

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Perguntas frequentes

Discutir a relação é útil?

O que é Reembolso?

psicologa, amil, são paulo

Beleza é fundamental?

Postagens mais visitadas deste blog

A dificuldade de relacionamento

Perguntas frequentes

Beleza é fundamental?